A questão do mal em Agostinho

Agostinho foi uma das grandes mentes do Ocidente que tentou resolver o chamado “problema filosófico do mal”. Sua abordagem da questão não foi apenas prática, mas brilhante. Existem dois diferentes aspectos neste problema. Uma maneira de abordar a questão da origem do mal é levantando um silogismo (uma série de afirmações que formam um argumento coerente: 1) Deus criou todas as coisas; 2) o mal é uma coisa; 3) portanto, Deus criou o mal. Se as duas primeiras premissas são verdadeiras, então a conclusão é inescapável.

Essa formulação, se sustentada, é devastadora para o cristianismo. Deus não seria bom se ele tivesse criado o mal. Agostinho percebeu que a solução estava relacionada à questão: o que é o mal? O argumento acima depende da idéia de que o mal é uma coisa (veja a segunda premissa). Mas e se o mal não for uma "coisa" nesse sentido? Então o mal não precisaria ser criado. Então, sua busca pela fonte do mal irá por outra direção.

Agostinho abordou a questão por um ângulo diferente. Ele perguntou: Há alguma evidência convincente de que um Deus bom existe? Se alguma evidência nos leva a concluir que Deus existe e é bom, então ele seria incapaz de criar o mal. Então, sua fonte deve ser alguma outra coisa.

Se essa abordagem de Agostinho é verdadeira, ela levanta um par de silogismos que leva a diferentes conclusões. Primeira: 1) Todas as coisas que Deus criou são boas; 2) o mal não é bom; 3) portanto,o mal não foi criado por Deus. Segunda:1) Deus criou todas as coisas; 2) Deus não criou o mal; 3) portanto,o mal não é uma coisa.

Essa é a estratégia de Agostinho. Se o mal não é uma coisa, então o argumento contra o cristianismo desenvolvido pelo primeiro silogismo que vimos não tem fundamento porque uma de suas premissas é falsa. A questão fundamental é: o que é o mal?

Central para a idéia de bem de Agostinho (e, consequentemente, de mal) era a noção do ser. Para Agostinho, tudo o que tinha o ser era bom. Deus como a fonte do ser é perfeitamente bom, juntamente com tudo o que ele trouxe à existência. A bondade é uma propriedade que varia em diferentes níveis.

Com esse fundamento, Agostinho estava agora preparado para responder à questão principal: Onde está o mal? Qual a sua fonte? Quando e por onde ele entrou? A resposta de Agostinho foi: "O mal não possui uma natureza negativa, mas a perda do bem recebeu o nome de 'mal'".

A diminuição da propriedade do bem é o que é chamado mal. O bem tem um ser substancial, o mal não. Desde que todas as coisas foram feitas boas, o mal necessariamente deve ser uma privação do bem. "Tudo o que é corrompido é privado do bem".

Então, dizer que alguma coisa é má é apenas uma maneira de dizer que ela é privada do bem, ou tem uma quantidade menor de bem que deveria ter. Mas a questão permanece: "Quando e por onde ele entrou?".

Agostinho observou que o mal não poderia ser escolhido, pois ele não era uma coisa a ser escolhida. Alguém pode apenas afastar-se do bem, isso é, de um grau maior para um grau menor (na hierarquia de Agostinho) desde que todas as coisas são boas. Pois, segundo ele, quando a vontade abandona o que está acima de si e se vira para o que está abaixo, ela se torna má - não porque é má a coisa para a qual ela se vira, mas porque o virar em si é mau. O mal, então, é o próprio ato de escolher um bem menor. Para Agostinho a fonte do mal está no livre arbítrio das pessoas.

20/Deixe seu comentário/Comentários

  1. uhm, legal isso aí... nunca tinha pensado por esse lado.. Deus deve uma ao Agostinho, escapou de ter criado o mal. hehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso que acontece quando se é guiado pela graça de DEUS.

      Excluir
    2. Isso que acontece quando se é guiado pela graça de DEUS.

      Excluir
    3. Kkk Deus não deve a Agostinho porque isso está por toda parte na Bíblia, as pessoas que não lê mesmo, e naquela época apenas o clero e principados que tinham acesso a bíblia. Agostinho foi iluminado porque muitos mistérios e palavras de conhecimento vieram dele, técnicas de compreensão que hoje nos ajudam a entender melhor a Bíblia, tb né os cara era aristotélico na veia kkkk.

      Excluir
  2. Este argumento de Agostinho é graça de Deus. Uma criatura é Agostinho assim como cada ser humano, porénm se destacou entre muitos pela sua inteligêcia e pela garça.

    ResponderExcluir
  3. Nao valeu! Agora eu entendi. Digo: Minha ideia ficou clara. Muito Obrigado, aos Mano ou as mina. Valeu?

    ResponderExcluir
  4. Então!!! Qto mais distante de Deus, mais ruins nos tornamos.

    ResponderExcluir
  5. Agostinho nao conhecia os virus , kkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas ainda se pode englobar na abordagem do mal no ponto de vista metafisico em Agostinho, do qual ele fala que o mal não existe, oque existe são as diferentes proximidades com Deus, sendo o mal visto de formas diferentes por cada um de nos, algo que seria interpretado de acordo com os nossos próprios interesses

      Excluir
    2. O problema não são os vírus e sim a ausência de capacidade de combate-los

      Excluir
  6. Eu teria outra pergunta a fazer se fosse Agostinho: Porque Deus permite o mal? Ora, para que o ser humano aprende o que não deve fazer e assim evoluir moralmente.

    ResponderExcluir
  7. Alguém sabe a resposta dada pelos maniqueístas ao problema do mal????

    ResponderExcluir
  8. Santo Agostinho Afirma que o mal é uma quatidade menor De Bem,e Deus criou o Bem,não importa a quantidade,Logo Deus criou o mal(quantidade baixa de Bem) '-'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo11:42 AM

      Afirma que o mal não é uma coisa, então não foi criada, ele surgiu sozinho pelo livre árbitro das pessoas .

      Excluir
    2. Isaias 45:7 está corretissímo. O que Agostinho afirma que o mal não existe quanto essência, ou seja, substância, Uma Font, origem.Ele afirma que se procurarmos Uma fonte só encontraremos a essência, Bem, que é Deus.Daí o livre arbítrio: se aproximar de Deus, próximo do Bem;afastar-se de Deus, diminuir o grau de bondage. Lógico que isso só é válido para aqueles que acreditam em Deus.

      Excluir
  9. É como fica Isaías 45, versículo 7:Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas.
    Isaías 45:7

    ResponderExcluir
  10. O mal já existia antes dá criação. Tanto que foi colocado no Éden a árvore do conhecimento do bem e do mal.a

    ResponderExcluir
  11. Legal, gostei.... Então conhecemos o que não é mal mais do que o que é mal!!!! Bem tem graus?

    ResponderExcluir
  12. Muito legal mesmo São Agostinho era enteligente de mais

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem